Translate

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

FICHÁRIO [Biografia] James Cooley Fletcher

Túmulo de James Cooley Fletcher
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/

FLETCHER, James Cooley, pastor presbiteriano, nascido em Indianapolis, no Estado de Indiana, em 1823. Seu pai Calvin Fletcher (Ludlow, Vermont, 4 de fevereiro de 1798 - 1866, Indiana, Indianápolis), foi um advogado, banqueiro, empresário, fazendeiro, político, filantropo e destacado antiescravagista, ajudou a formar tropas de afro-americanos que combateram pela União, durante a Guerra Civil Americana.[1] O jovem Fletcher fez sua graduação em Brown University em 1846, estudando teologia por dois anos no Seminário Teológico de Princeton, seguindo para a Europa onde completou seus estudos teológicos e aperfeiçoou-se na língua francesa, pois deseja exercer seu ministério missionário no Haiti. Ainda na Europa, na Suíça, casa-se com Elizabeth M. Fletcher (1845-1903), filha do pastor e teólogo César Malan.[2]
 Ele voltou aos Estados Unidos em 1850, mas em 1851 em vez do Haiti resolve vir ao Brasil desembarcando no Rio de Janeiro, então com 29 anos, como missionário e Capelão da Sociedade Americana de Amigos dos Marítimos (American Seamen’s Friend Society)[3] que estava vago a vinte anos; naqueles dias o porto do Rio de Janeiro recebia em média 10.000 marinheiros americanos, fluxo que aumento devido a corrida do ouro no oeste americano, cuja rota marítima passava pelo Estreito de Magalhães e tinha no porto brasileiro um lugar de reparos e abastecimento. Ele também estava vinculado a outra missão americana denominada de União Cristã America e Estrangeira (American and Foreign Christian Union) que tinha como objetivo assistir aos americanos que residiam no Brasil. Naquele momento religioso delicado do país, Fletcher recebe o título de “Adido” da Legação Americana, proporcionando-lhe uma proteção legal.[4] Em 1854 ele retorna aos Estados Unidos, devido a enfermidade da esposa Elizabeth M. Fletcher (1845-1903) logo após o nascimento de seu segundo filho. Neste período encontra-se com o missionário metodista Daniel P. Kidder, que estivera no Brasil em momento anterior, e recebe deste a proposta para atualizar seu livro “Sketches of Residence and Travels in Brazil”[5] (1845) mas com novo fôlego volta ao Brasil, agora coligado a União Americana de Escola Dominical (American Sunday School Union) e no biênio 1855'6 viaja mais de 5.000 quilômetros no país distribuindo e organizando depósitos de Bíblias como agente da Sociedade Bíblica Americana.[6] Em 1862 ele navegou mais de 3.000 quilômetros pelo rio Amazonas ocasião em que colheu amostras e matéria para estudo de ciências naturais que enviou ao Prof. Louis Agassiz, cientista renomado da Universidade de Harvard, e de que este se serviu para seus estudos ictiológicos e posteriores observações na mesma região. O esforço de Fletcher acabou por motivar a vinda da “Expedição Thayer” dirigida pelo Professor Agassiz ao Brasil em 1865.[7] No biênio de 1864/65 Fletcher e o político liberal alagoano Aureliano Cândido Tavares Bastos colocam todos seus esforços e persuasão política para que o governo Brasileiro autorizasse que os americanos operassem uma linha de navio a vapor entre a Nova Iorque e Rio de Janeiro, o que depois de muitos embates veio a ocorrer[8]. Fletcher empenhou-se também como agente da Sociedade de Imigração Americana em 1868/69, que tinha como objetivo atrair os então Confederados sulistas americanos (após a derrota na Guerra da Secessão ocorrida nos Estados Unidos entre 1861 e 1865) e outras etnias protestantes europeias para colonizarem o Brasil, contribuindo segundo sua perspectiva e dos chamados “Amigos do Progresso” para alçar o país ao patamar das grandes nações europeias e americana. A última atuação de Fletcher em seu esforço missionário no Brasil ocorre também no biênio de 1868/69 agora como agente da Sociedade Americana de Folhetos (American Tract Society – ATS). O objetivo especificamente da ATS nesse momento era encontrar uma forma rápida e eficaz de evangelizar especialmente no oeste americano, daí o uso de panfletos e folhetos contendo informações resumidas e de fácil assimilação.Em 1869 Fletcher vai para Portugal para exercer a função de cônsul na cidade do Porto (1869/73). Ainda exerce atividade missionária em Nápoles (1873/77),[9] retornando finalmente para os Estados Unidos em sua residência em Indianápolis. Ele foi um colaborador constante da imprensa periódica, entre os quais American Register, o New York Advertiser, correspondente do New York Daily Times e o Evangelist. Mas sem dúvida alguma seu livro a partir da obra inicial de D. P. Kidder, intitulado “O Brasil e os Brasileiros” é o seu maior legado ao país e se tornou uma importante e conceituada obra não apenas sobre o Brasil, mas também sobre a America do Sul tornado-se referencial para todos os que desejavam conhecer e trabalhar no país, bem como leitura obrigatória para todos os missionários que desejassem atuar no Brasil, como os pioneiros Dr. Robert Reid Kalley, que formou a primeira igreja protestante em e para brasileiros (Congregacional) e A. G. Simonton que implanta a Igreja Presbiteriana no país e ao final temos algumas informações e comentários desta obra. O Rev. James C. Fletcher teve dois filhos: Elmond R. Fletcher, que se aposentou como oficial do exército dos Estados Unidos e uma filha, Julia Constance Fletcher, que viveu em Londres e com o pseudônimo masculino de “George Fleming” escreveu diversos romances que se tornaram muito conhecidos: "Kismet" e "Andromeda", "A Cabeça de Medusa", e outros, além de algumas peças de sucesso, um livro de viagens, etc.[10] Em 1898, a Universidade Brown, na qual havia estudado, lhe conferiu o grau de PHD, em reconhecimento dos seus serviços diferenciados nas áreas de esforço intelectual. Nos últimos seis anos, até a hora da morte, o Dr. Fletcher presidiu a Escola de Arte e Desing de Los Angeles. Nesta cidade, onde residiu durante seus últimos dez anos, ele manteve-se engajado no ministério, mas nos últimos dois ou três anos havia restringido sua atenção especialmente para a pequena igreja de “La Crescenta”, onde foi grandemente estimado, principalmente pelas crianças. Dr. Fletcher era um homem de grande erudição, e possuía uma mente notável pela sua amplitude e alcance sobre todos os assuntos. Sua memória sempre prodigiosa armazenou fatos sobre personagens e eventos de todos os tempos e países, de tal forma que ele era uma autoridade em assuntos históricos, especialmente os dos últimos 50 anos, em que ele tinha estudado tão conspicuamente entre os quais: Longfellow, Whittier, Emerson, Lowell, Bryant e Gladstone. No dia 24 de abril de 1901, na cidade de Los Angeles o Dr. James Cooley  Fletcher, um homem notável, morreu ontem de às 10 horas da manhã em sua casa, na rua Bonnie Brae Street, No. 173, em decorrência de um derrame cerebral que havia sofrido na quarta-feira antecedente, desde então, ele estava confinado em sua cama e desfalecendo gradualmente até sua morte nesta manhã. Por tudo quanto James C. Fletcher realizou, deve figurar como um dos pioneiros do protestantismo brasileiro do século XIX.

O BRASIL E OS BRASILEIROS (Livro)
Críticas e Comentários
Da Comissão do Instituto de Histórico e Geográfico do Brasil:
... Se alguma vez o seu Autor [referindo-se especificamente a Fletcher] se permite alguma facécia a respeito de nossos costumes, não é, todavia com o intento de expor-nos ao ridículo, como têm feito outros viajantes e escritores. Aponta muito de nossos defeitos, que se não podem negar; mas, em geral, ameniza com a sua benevolência as críticas que faz: de sorte que conclui-se antes em seu Autor um afeiçoado do Brasil, do que um desses viajantes que não tendo saído do seu gabinete maldizem de tudo e de todos; se Fletcher censura é porque desejaria que o Brasil e os brasileiros progridam na civilização.(RIHGB, xxv [862], p. 292/293, apud VIEIRA, 1980, p. 80).

Segundo Alfredo de Carvalho (em sua obra Escritores Exóticos no Brasil), Brazil and the Brazilians é, "ainda hoje, nos Estados Unidos, senão o livro clássico, o mais vulgarizado (popular) sobre o nosso país". Também Marchant (em Handbook of Latin American Studies, 1938) escreve que a obra de Kidder e Fletcher "é, em sua época, certamente, a mais importante obra americana sobre o Brasil".

EDIÇÕES EM INGLES
1ª, 1857, Childs & Peterson, Filadélfia.
2ª, 3ª, 4ª e 5ª — 1858 a 1866, Childs & Peterson, Filadélfia, e Little, Brown, Boston, acréscimo de um mapa do Brasil e outro da Baía do Rio de Janeiro por C. B. Colton.
6ª — 1866 — Childs & Peterson, Filadélfia.
7ª — 1867 — Childs & Peterson, Filadélfia.
8ª — 1868 — Childs & Peterson, Filadélfia.

José Carlos Rodrigues, em Religiões Acatólicas no Brasil, refere-se a nove edições, e Alfredo de Carvalho, em Escritores Exóticos no Brasil, fala de 12 edições, porém não especificando datas.

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião
ivanpgds@gmail.com


Referências Bibliográficas
KIDDER, D. P. e FLETCHER, J. C. O Brasil e os brasileiros – esboço histórico e descritivo, v. 1. Brasiliana – Biblioteca Pedagógica Brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1941 [Tradução da 6ª. edição em inglês - Elias Dolianiti e Revisão e Notas de Edgard Sussekind de Mendonça].
LÉONARD, Émile-Guillaume. O protestantismo brasileiro – estudo de eclesiologia e de história social, 2ª. ed. Rio de Janeiro e São Paulo: JUERP/ASTE, 1981.
MATOS, Alderi Souza de. Erasmo Braga - o protestantismo e a sociedade brasileira. São Paulo: Cultura Cristã, 2008.
SOARES, Caleb. 150 anos de paixão missionária – o presbiterianismo no Brasil. Santos (SP): Instituto de Pedagogia Cristã – IPC, 2009.
VIEIRA, David Gueiros. O Protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil, 2ª. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1980.
Dados Biográficos -  http://www.famousamericans.net/jamescooleyfletcher/





[1] Foi membro fundador do Partido Republicano no estado de Indiana e em 1860, Fletcher apoia os republicanos nas eleições estaduais e Abraham Lincoln eleição presidencial; em 1844 Fletcher ajudou a organizar o Banco do Estado de Indiana, onde atuou como diretor da sucursal Indianápolis 1841-1844 e, como presidente 1843-1858; embora a própria educação de dele fosse limitada, ele foi um forte defensor de um sistema escolar público gratuito; foi um abolicionista convicto como seu amigo e colega, Ovídio Butler (fundador do jornal Free Soil Banner que defendia abertamente as ideias abolicionistas); tornou-se membro da Igreja Metodista em 1829 e forneceu apoio financeiro para ajudar outras denominações construir suas próprias igrejas em Indianápolis; também tinha interesse na história e tornou-se membro da Sociedade Histórica e Genealógica da Nova Inglaterra e um dos membros fundadores da Sociedade Histórica de Indiana, fundada em 1830.
[2] Henri Abraham César Malan (7 de Julho de 1787, Genebra, Suíça - 18 de Maio de 1864, Vandoeuvres, Suíça) foi um pastor e músico sacro protestante. Após trocar o curso de administração pelo de teologia ele foi ordenado pastor na Igreja de Genebra Unitarista em 1810, aos vinte e três anos de idade. Mas, segundo seu próprio testemunho somente seis anos após sua ordenação, em 1816, converteu-se ao Cristianismo através da leitura de Romanos 6.10 e Efésios 2.8, após a leitura destes textos ele exclama com alegria e segurança, “Sou salvo! Sou salvo!”. Após sua conversão entra em rota de colisão com sua igreja Unitarista e depois de ser proibido de pregar sobre a predestinação e ser expulso da Igreja de Genebra ele constrói uma capela nas dependências de sua casa e ali prega por 43 anos, posteriormente arrolaram-se a Igreja da Escócia na Suíça. Ele foi compositor de mais de mil hinos em francês. Influenciou diversos pregadores de seu tempo como: Robert Haldane, D’Aubigne (autor de História da Reforma) e recebeu um dos maiores pregadores ingleses e do cristianismo protestante Charles Haddon Spurgeon em sua casa em 1860. 
[3] Esta missão, fundada em 1828, vem na torrente missionária nascida na Inglaterra no fim do século de 1865atuais com o mesmo propósito de suprir as necessidades espirituais e sociais dos marinheiros americanos em todo o mundo.
[4] Por um pequeno período Fletcher assume interinamente a função de Secretário da legação, por motivo de licença do titular.
[5] Esta obra Kidder foi traduzida por Moacir N. Vasconcelos e editada na Biblioteca Histórica Brasileira, Livraria Martins, São Paulo, com o titulo de “Reminiscências de viagens e permanência no Brasil”.
[6] Este trabalho desenvolvido por Fletcher e outros missionários e colportores foram a sementeira para a futura colheita feita pelos missionários posteriores que vieram com a finalidade de implantar e desenvolver suas denominações evangélicas protestantes no Brasil, incluindo aqui os pioneiros presbiterianos com Ashbel G. Simonton e seus companheiros.   
[7] O Prof. Agassiz recebeu do Instituto Histórico e Geográfico o certificado de membro honorário que lhe foi entregue por Fletcher e posteriormente o cientista agradeceu pessoalmente ao Instituto pelo título recebido (16 de junho de 1865).
[8] O projeto inicial propunha a navegação entre New York e Belém no Pará, mas acatando sugestão do então Ministro das Relações Exteriores, o Visconde do Rio Branco, o Imperador Dom Pedro II estendeu a linha até o porto do Rio de Janeiro.
[9] Neste período ocupa-se também das atividades arqueológicas desenvolvidas nas cidades enterradas de Pompéia e Herculano. Poucos artigos sobre Nápoles pode ser lido como os escritos por ele para a Enciclopédia Britânica.
[10] Constance conheceu o famoso escritor britânico (Irlandês) Oscar Wilde, quando ambos estiveram na Itália, estabelecendo-se uma amizade que perdurou por muitos anos e foi reproduzida em personagens de seus livros reciprocamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário